Bom dia !     Utilizadores Online:       

DISTRITOS
Algarve
Aveiro
Beja
Bragança
Braga
Castelo Branco
Coimbra
Évora
Guarda
Leiria
Lisboa
Portalegre
Porto
Santarém
Setúbal
Viana do Castelo
Vila Real
Viseu
Açores
Madeira
main
main

OS SALAMALEQUES DOS LIBERAIS

Data adicionada : June 09, 2016 03:00:03 PM
Autor:
Categoria:
 

08 junho 2016


Ao ouvirmos o Passos, a Cristas e seus apaniguados espalhados pelos órgãos de comunicação social, não é difícil percebermos como a azia de não serem governo continua a roer-lhes o corpo e a alma. Na sua ignorante e fascizante "sabedoria" só eles sabem o que é bom para o país. O resultado está à vista: miséria, coluna vertebral partida, subserviência, antipatriotismo. Ainda hoje, na oposição pouco esclarecida continuam a opinar contra os interesses de Portugal publicitando o desastre que, na sua opinião de "sábios" falhados, nos espera, amarrados como estamos às ideias do PC e do BE. Ora, em vez de fazerem o que fazem os papagaios que repetem até ao cansaço o que ouvem, aconselho-os a ler não só o Programa eleitoral do PS como também o seu programa de Governo. Lá vão encontrar as medidas que estão a ser implementadas, com relevo para a atitude patriótica de rejeição do que querem impor-nos só porque somos pobres e pequenos, dizendo firmemente a Bruxelas que os países são todos iguais e têm de ter todos o mesmo tratamento. Pelo menos, já é possível ouvir um discurso diferente que reconhece a soberania de Portugal e a necessidade de as leis serem iguais para todos os países membros. Estamos longe, felizmente, dos tempos em que o todo-poderoso ministro das Finanças alemão convocava a ministra Maria Luis e a exibia despudoradamente como exemplo de boa aluna que "come e cala". Começa a ser diferente.

Portanto, quanto à atitude, a política que o PS está a implementar é a correcta, na esperança de que a Europa interiorize que tem de mudar, tem de pensar nas pessoas e não apenas nos números.

Mas, outras medidas que têm vindo a ser tomadas constam do Programa de governação do PS: a nova política educativa, no sentido de modernizar o país, educar cidadãos activos e responsáveis, em vez de "marrões" sem cérebro. O actual ministro da Educação é um cientista de reconhecidos méritos, moderno, sabedor, informado, cujas medidas vão no sentido de implementar o uso das novas tecnologias, reorientar as aprendizagens, pôr os alunos e os professores a pensar. A sua acção vai no sentido daquilo que se faz hoje nos países felizes e prósperos. Brevemente, esperam-se medidas de requalificação de quadros, de actualização dos conteúdos, de novas atitudes na sala de aulas, nas escolas, junto dos Pais. O país precisa de qualificar todos os portugueses, enquanto cidadãos. Todos merecem uma segunda oportunidade e é sempre possível regressar à escola e reiniciar uma outra caminhada. Ninguém pode estar condenado à ignorância para toda a vida. Já existem sinais de que a educação será alargada a todos os cidadãos que queiram aproveitar as segundas oportunidades.

Mas, outras medidas têm sido implementadas, como as que devolvem mais dinheiro e dignidade às pessoas, um novo comportamento para com os pensionistas e reformados, uma nova ideia para a saúde, a segurança social, a justiça, a recuperação económica, a criação de emprego. Se, quanto a algumas, ainda é cedo para colher frutos, não temos dúvida de que o sofrimento a que os liberais nos tinham condenado começa a aliviar e, sobretudo, não é pouco importante que haja um espírito novo tendente a recuperarmos a capacidade de sonhar e de sermos felizes. Se isto é estar imobilizado e amarrado ao PC, então, abençoada imobilização e amarra.

 
main
Avaliações
main
comentários
main