Boa Noite !     Utilizadores Online:       

DISTRITOS
Algarve
Aveiro
Beja
Bragança
Braga
Castelo Branco
Coimbra
Évora
Guarda
Leiria
Lisboa
Portalegre
Porto
Santarém
Setúbal
Viana do Castelo
Vila Real
Viseu
Açores
Madeira
main
main

AZIA ALIMENTADA PELA MENTIRA

Data adicionada : December 03, 2015 05:00:05 PM
Autor:
Categoria:
 

03 dezembro 2015


A política da defunta coligação de direita funda- se em três mentiras descaradas, teimosamente repetidas: 1. Receberam Portugal falido por causa da governação do PS; 2. Recuperaram a economia, pagaram a dívida, relançaram o país; 3.O actual governo é ilegítimo.

Atentemos na primeira mentira.

Portugal não era excepção no conjunto dos países europeus, ou mesmo, a nível mundial. Todos sabemos hoje que, na mesma situação de Portugal, com o apoio da União Europeia, estavam falidas a Espanha, a Itália, a Grécia, a França, a Irlanda, e por aí fora. Também sabemos que, embora Sócrates não governasse nesses países, a crise estava lá. Culpa de Sócrates? Quem acredita? Foi a conjuntura mundial e a prática aconselhada por Bruxelas, onde imperava Durão Barroso, fervoroso adepto do investimento público até Merkel o mandar calar.

Sabemos igualmente que o governo de então apresentou na Assembleia da República, um programa aprovado por Bruxelas, com a assinatura de Ângela Merkel, que, à semelhança do que fizeram a Itália e a Espanha, evitaria a vinda da "tróica" e resolveria o pagamento da dívida soberana sem os sacrifícios que, depois, nos foram exigidos. Não haveria bancarrota, se o Peque 4 tivesse sido aprovado, mas acontece que Passos Coelho queria o poder, custasse o que custasse. Aliás, a recuperação aparente que a direita conseguiu só foi possível graças à baixa do preço do petróleo e a intervenção do BCE, além de outras alterações conjunturais que nada tiveram a ver com a governação. Tudo fundado numa ideologia política de empobrecimento do país e da sua transformação em gigantesca sopa dos pobres frequentada por pedintes.

Falemos da segunda mentira.

É falso que Portugal esteja melhor do que estava depois de Sócrates. Nem a dívida baixou, nem a economia parece assim tão saudável, nem Portugal ficou mais rico. Portugal, durante estes quatro anos desgraçados, perdeu milhares de pessoas qualificadas que foram obrigadas a emigrar, baixou o rendimento dos trabalhadores de forma escandalosa, não criou empregos reais, facilitou a precaridade do trabalho, vendeu as empresas que davam lucros, reduzindo dramaticamente o nosso património. Houve, pois, uma descarada protecção do grande capital e um desprezo absoluto pelos trabalhadores. Além disso, reduziu-se o estado social ao mínimo e quase tudo passou para o privado. Sobretudo, e não menos importante, destruiu-se a esperança dos Portugueses.

Quanto à terceira mentira, será que Cavaco Silva teve a ousadia de dar posse a um governo ilegítimo? Então agora já nem o vosso principal aliado respeitam? Se acham que podem governar, governem. Não conseguem? Pois não. Porquê? Porque ainda há uma Constituição que nunca respeitaram, mau grado toda a azia que vos consome. O governo forma-se na Assembleia da República, por escolha dos deputados eleitos pelos cidadãos portugueses, infelizmente para a direita, todos com os mesmos direitos. Não há deputados de primeira, nem deputados de segunda, por mais revisões da Constituição que queiram fazer. Ora, se o governo tem o apoio maioritário dos deputados, é legítimo. O contrário, isto é, formar um governo sem o apoio maioritário dos deputados, isso, sim, seria ilegítimo.

 
main
Avaliações
main
comentários
main