Bom dia !     Utilizadores Online:       

DISTRITOS
Algarve
Aveiro
Beja
Bragança
Braga
Castelo Branco
Coimbra
Évora
Guarda
Leiria
Lisboa
Portalegre
Porto
Santarém
Setúbal
Viana do Castelo
Vila Real
Viseu
Açores
Madeira
main
main

Apoio Social ou Apoio à Indústria Têxtil?

Data adicionada : October 19, 2014 09:14:58 AM
Autor:
Categoria:
 

06 outubro 2014
Agentes comerciais ao serviço da indústria de reciclagem têxtil têm lançado na opinião pública dúvidas e incertezas que alguns autarcas têm acolhido, acabando por beneficiar essa indústria.

Consequentemente, estão a ser afetadas instituições sem fins lucrativos, que se socorrem da recolha de roupa usada, essencialmente para viabilizar projetos de ajuda humanitária e para apoiar ações de cariz social (Ex. Associação Humana Portugal).

Mas vejamos! Muito concretamente, a colocação de contentores de recolha de roupa e calçado usados destinados a recolher estes materiais, que uma vez no seu interior recebem a classificação e são tratados como resíduos, constituindo o "alimento" da indústria de reciclagem têxtil, não está a ser clara nem devidamente interpretada.

Cativar as doações dos cidadãos, que no seu íntimo agem com a intenção fundamental de ajudar o próximo ou em prol da solidariedade humana e não com o propósito de beneficiar qualquer indústria transformadora (têxtil ou outra), parece-me ser um logro.

A este propósito, esclarece a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) numa das suas comunicações publicadas já este ano, o seguinte:

"A roupa e outros artigos usados (sapatos, por exemplo) depositados em contentores colocados na via pública não assumem a natureza de resíduo. A colocação da roupa nestes locais é realizada com a intenção que a mesma seja novamente usada para o mesmo fim e portanto reutilizada (c.f. definição de Reutilização, alínea nn) do art. 3.º do RGGR- Regime Geral da Gestão de Resíduos).

- A roupa que apenas necessite de pequenos arranjos (cozer botões, lavar, passajar) tendo em vista a sua reutilização, também não é considerada resíduo."


Por sua vez, para que não haja confusão com a interpretação que por vezes alguém (os interessados) faz dos contentores e sua missão, a Agência Portuguesa do Ambiente, refere:

"Os contentores, não configurando locais de armazenamento de resíduos, não são objeto de licenciamento nos termos previstos do RGGR."

E sobre o transporte e a triagem, a APA esclarece que "a recolha e o transporte da roupa para um armazém central (centro de triagem) não se enquadra na Portaria n.º 335/97, de 16 de Maio que estabelece regras de transporte de resíduos.

- A operação de triagem subjacente a esta atividade não configura uma operação de gestão de resíduos, na medida em que assenta em materiais que não são resíduos.

- No centro de triagem, a eventual necessidade de armazenar a roupa a ser reutilizada, mesmo que por tempo indeterminado, não configura uma operação de gestão de resíduos."


Deste modo, fica claro que não é correto destinar a roupa e calçado usados, recolhidos em contentores, a "alimento" da indústria de reciclagem têxtil, como se de resíduos se tratassem.

Devemos, pois, alertar os responsáveis autárquicos e outros que autorizam a colocação de contentores de recolha de resíduos para a industria têxtil, em espaço público, mas que acabam por estar a recolher as doações dos cidadãos em espírito de solidariedade social, que, ao fazê-lo, estarão a contribuir para um logro moral, já que, conforme esclarece a APA, "roupa e outros artigos usados (sapatos, por exemplo) depositados em contentores colocados na via pública não assumem a natureza de resíduo".

É óbvio que a generalidade da população coloca roupa ou calçado usado nos respetivos contentores com a intenção de que os mesmos venham a ser reutilizados e, portanto, as entidades competentes não devem permitir que os mesmos sejam transformados em resíduos e integrados na indústria têxtil.

 
main
Avaliações
main
comentários
main